Marketing, conteúdo e storytelling podem potenciar sector publicitário

No enorme mundo que é o marketing digital há estratégias que podem ser adotadas para melhorar a perceção de uma marca. A automatização na publicidade, o storytelling e o marketing de precisão foram alguns dos aspetos destacados no segundo dia do Portugal Digital Summit’19.

Hoje em dia o sector publicitário está a sofrer uma enorme transformação, com o digital a estender-se a cada vez mais formatos e a automatização a aumentar drasticamente. Na sessão “Automating Advertising”, em que se discutiu precisamente este panorama atual, coube a João Marques Gomes, que gere a plataforma de marketing da Google em Portugal, dar início à partilha de ideias.

Machine learning foi um dos temas destacados a partir do palco Digital Marketing & Sales pelo especialista, que considera que, juntamente com a automatização, permite otimizar as estratégias de marketing digital ao incorporar mais variáveis.

Também João Cardoso, head do Digital do GroupM, analisou os potenciais da automatização na área do marketing digital. Mas, para o especialista, para a aposta ter sucesso só poderá ser feita depois de definidos todos os parâmetros da campanha, nomeadamente os objetivos.

Já Diogo Branco, gestor do departamento de publicidade do site de jogos Miniclip, aproveitou a sua experiência na área para sublinhar o facto de cerca de 70% dos consumidores instalarem jogos através da App Store. Mas, independentemente da área de atividade da empresa, Diogo Branco considera que o mobile deve ser uma aposta cada vez maior para a publicidade.

E quanto a desafios, João Pedro Cortinhas, fundador da Swonkie, afirmou que no futuro as dificuldades na área da automatização não será como implementar este processo, mas de que forma é que as marcas se vão diferenciar na área.

Storytelling: uma estratégia importante que deve ter em conta os diferentes canais

Num painel onde foi discutido o poder dos conteúdos e da adequação do storytelling a cada canal, falou-se também sobre a melhor forma de planear e executar campanhas, recorrendo-se a múltiplos canais digitais.

Neste sentido, Rui Borges, CEO da Plot Content, destacou precisamente o poder do conteúdo, mas também a importância do contexto e a enorme diferença de perceção que pode fazer no consumidor. Já Pedro Pires, CEO da Solid Dogma, deixou bem claro o objetivo da sua empresa: “unir o mundo físico e o digital, construindo valor cultural”, através desta ferramenta que é o storytelling.

Também Carlos Picazo, da Adobe, fez referência à importância das histórias, que diz ultrapassarem as estatísticas, até porque as pessoas “compram experiências e não produtos”, defendeu. Mas o especialista considera que não basta recorrer ao storytelling, sendo também necessário personalizá-lo e adaptá-lo aos diferentes canais disponíveis.

E porque a experiência de conteúdos não é feita de condições perfeitas, coube a Miguel Sabino falar naquele que considera ser o principal desafio no que toca aos conteúdos. Para o fundador da Thumbmedia a tarefa mais complicada é mesmo conciliar as 24 horas por dia das pessoas, que têm a sua vida profissional e pessoal, com as mensagens que querem ser passadas.

Marketing de precisão e IoT na potencialização de negócios no campo da publicidade

As oportunidades que a tecnologia, e principalmente a Internet of Things (IoT), pode oferecer aos pequenos negócios no crescente campo da publicidade localizada e contextual esteve em debate na sessão “Precision Marketing”.

Joana Carravilla, partner e country manager iberia do Elife Group, começou por destacar o papel da automatização da maioria dos processos de atendimento ao cliente, que contribuem para um atendimento imediato e uma boa resposta, algo muito valorizado pelo consumidor. Nesse processo de automatização podem estar incluídas ferramentas como autoserviços, assistentes de voz, chatbots e inteligência artificial.

Já Tiago Branco, diretor do departamento de data e tecnologia do Omnicom Media Group, demonstrou-se preocupado em relação à excessiva quantidade de dados, afirmando que o big data tem tornado difícil a construção efetiva de informação e que no futuro analisar os dados vai ser ainda mais complicado. Quanto à implementação da IoT no sector publicitário, o especialista defende uma integração nos meios de publicidade tradicionais, mas também uma necessária compreensão de como será possível potenciar novos resultados.

As redes sociais foram outro tema abordado durante a sessão, desta vez por Toralf Schneider, Managing Partner na Net4X, que considera serem uma ótima ferramenta de marketing de precisão. Já Jean Philipe Mota, líder do mercado EMEA do Waze, veio ao Portugal Digital Summit falar sobre a sua experiência na plataforma e de que forma tem aplicado este conceito.